Sharenting, liberdade de expressão e privacidade de crianças no ambiente digital: o papel dos provedores de aplicação no cenário jurídico brasileiro

Fernando Büscher von Teschenhausen Eberlin

Resumo


Por meio das redes sociais, os pais contam suas experiências de vida e, às vezes, divulgam informações de caráter pessoal dos filhos, como fotografias, informações de localização, colégio em que estudam, rede de amigos, questões de saúde, dentre outras. Essa prática, conhecida como sharenting, cria um rastro digital que acompanha as crianças durante a vida, tem implicações no âmbito da privacidade, e coloca em rota de colisão a liberdade de expressão dos pais e a proteção dos dados pessoais dos filhos. Esse trabalho analisa essa prática e os mecanismos do Marco Civil da Internet (MCI) e da jurisprudência para endereçar tal colisão de normas. O artigo, também, analisa o papel dos provedores de aplicação, em especial redes sociais e ferramentas de busca, na criação de mecanismos que assegurem o direito ao esquecimento das crianças (a ser exercido quando entram na vida adulta) e que previnam o compartilhamento exagerado de informações pelos pais; a esse respeito, foi realizada a comparação dos modelos brasileiro e europeu, com análise normativa e jurisprudencial, objetivando encontrar elementos que auxiliem o modelo brasileiro na formulação legislativa para proteção da liberdade de expressão dos pais e da privacidade das crianças. Ao final, conclui-se pela pertinência de políticas públicas para educação em relação aos riscos do sharenting e pela necessidade de positivação de um dever de diligência dos provedores para que atuem preventivamente (melhorando a qualidade das informações sobre os riscos associados ao sharenting) e corretivamente (implementando mecanismos para efetivação do direito ao esquecimento).

Palavras-chave


Shareting; Liberdade de Expressão; Privacidade; Direito ao Esquecimento; Proteção de Dados Pessoais

Texto completo:

Pdf

Referências


ALEXY, Robert. Teoria dos Direitos Fundamentais. São Paulo: Malheiros, 2012.

ALLEN, Anita L. Protecting one’s own privacy in a big data economy. Harvard Law Review, v. 130, p.71-78, dez. 2016.

BARTOLI, Emmanuelle. Children's data protection vs marketing companies. International Review Of Law, Computers & Technology, [s.l.], v. 23, n. 1-2, p.35-45, jul. 2009. Informa UK Limited.

BESSANT, Claire. Data protection, safeguarding and the protection of children's privacy: exploring local authority guidance on parental photography at school events. Information & Communications Technology Law, [s.l.], v. 23, n. 3, p.256-272, 2 set. 2014. Informa UK Limited.

BRASIL. Superior Tribunal de Justiça. Recurso Especial n. 74.473-RJ. Recorrentes: Edenir dos Santos Mario e Outros. Relator: Ministro Sálvio de Figueiredo Teixeira. Brasília, DF, 25 de fevereiro de 1999. DJ. Brasília, 21 jun. 1999.

BRASIL. Superior Tribunal de Justiça. AgInt no Recurso Especial n. 1.593.873-SP. Agravante: Google Brasil Internet Ltda. Relatora: Ministra Nancy Andrighi. Brasília, DF, 10 de novembro de 2016. DJe. Brasília, 17 nov. 2016.

BRASIL. Supremo Tribunal Federal. Acórdão nº 2144-3. Paciente: Siegfried Ellwanger. Relator: Ministro Maurício Corrêa. Brasília, DF, 17 de setembro de 2003. DJ. Brasília, 19 mar. 2004.

CANARIS, Claus-Wilhelm. Pensamento Sistemático e Conceito de Sistema na Ciência do Direito. 3a edição. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 2002.

CHEHAB, Gustavo Carvalho. O direito ao esquecimento na sociedade da informação. In: CLÈVE, Clèmerson Merlin. Doutrinas Essenciais de Direito Constitucional. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2015. p. 563-596.

ERDOS, David. Delimiting the Ambit of Responsibility of Intermediary Publishers for Third Party Rights in European Data Protection: Towards a Synthetic Interpretation of the EU acquis. University of Cambridge Faculty of Law Research Paper No. 31/2017, Cambridge, 27 jun. 2017. Disponível em: . Acesso em: 21 ago. 2017.

LIMA, Cíntia Rosa Pereira de. Direito ao Esquecimento e Internet: o fundamento legal no Direito Comunitário europeu, no Direito italiano e no Direito brasileiro. Revista dos Tribunais, [s.l.], v. 946, p.77-109, ago. 2014.

MENDES, Laura Schertel. Privacidade, proteção de dados e defesa do consumidor: linhas gerais de um novo direito fundamental. São Paulo: Saraiva, 2014.

MOREIRA, Rodrigo Pereira; MEDEIROS, Jaquelaine Souza. Direito ao Esquecimento: Entre a Sociedade da Informação e a Civilização do Espetáculo. Revista de Direito Privado, [s.l.], v. 70, p.71-98, 2016.

NAIR, Abhilash. Mobile phones and the internet: Legal issues in the protection of children. International Review Of Law, Computers & Technology, [s.l.], v. 20, n. 1-2, p.177-185, mar. 2006. Informa UK Limited.

NISHIYAMA, Adolfo Mamoru; DENSA, Roberta. A Proteção dos Consumidores Hipervulneráveis: os portadores de deficiência, os idosos, as crianças e os adolescentes. Revista de Direito do Consumidor, vol. 76, out-dez 2010, pag. 13-45.

OSWALD, Marion; JAMES, Helen; NOTTINGHAM, Emma. The not-so-secret life of five-year-olds: legal and ethical issues relating to disclosure of information and the depiction of children on broadcast and social media. Journal Of Media Law, [s.l.], v. 8, n. 2, p.198-228, 13 out. 2016. Informa UK Limited.

SCHREIBER, Anderson. Direitos da Personalidade. São Paulo: Atlas, 2011.

SIMPSON, Brian. Tracking children, constructing fear: GPS and the manufacture of family safety. Information & Communications Technology Law, [s.l.], v. 23, n. 3, p.273-285, 2 set. 2014. Informa UK Limited.

STANALAND, Andrea J. S.; LWIN, May O.; LEONG, Susanna. Providing Parents with Online Privacy Information: Approaches in the US and the UK. The Journal Of Consumer Affairs, [s.l.], v. 43, p.474-494, 2009.

STEINBERG, Stacey B. Shareting: Children's privacy in the age of social media. Emory Law Journal, Atlanta, v. 66, p.839-884, 2017. Disponível em: . Acesso em: 21 ago. 2017.

VIANA, Rafael Souza; SANTANA, Héctor Valverde. O compartilhamento de dados e informações pessoais de consumidores: o abuso dos fornecedores e as propostas apresentadas no PLS 181/2014. Revista Brasileira de Políticas Públicas, [s.l.], v. 7, n. 1, p.238-253, 8 maio 2017. Centro de Ensino Unificado de Brasilia.

UNIÃO EUROPEIA. Tribunal de Justiça da União Europeia. Acórdão nº C-131/12. Google Spain SL, Google Inc. / Agencia Española de Protección de Datos, Mario Costeja González. Luxemburgo, 2014. Disponível em: . Acesso em: 09 set. 2017.

UNIÃO EUROPEIA. Tribunal de Justiça da União Europeia. Acórdão nº C-101/01. Bodil Lindqvist. Luxemburgo, 2003. Disponível em: . Acesso em: 14 set. 2017.




DOI: http://dx.doi.org/10.5102/rbpp.v7i3.4821

ISSN 2179-8338 (impresso) - ISSN 2236-1677 (on-line)

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia