Neurolaw e as perspectivas para uma análise objetiva do comportamento sugestionado: repercussão das falsas memórias na esfera penal

Mariana Dionísio de Andrade, Marina Andrade Cartaxo, Rafael Gonçalves Mota

Resumo


O presente artigo possui como objetivo geral a análise sobre o seguinte problema de pesquisa: há mecanismos objetivos de identificação da implantação de falsas memórias que comprometem o testemunho no processo penal? Como objetivos específicos, o artigo busca esclarecer a relação entre neurociência e direito, e as implicações dessa interação para a resolução de problemas concretos na esfera jurídica, considerando que a coleta de depoimentos das testemunhas consiste em um dos meios de prova mais utilizados no processo penal brasileiro. Como elemento complementar, será realizada a análise do julgamento do caso Escola de Educação Infantil Base, em São Paulo, como exemplo paradigmático da presença de falsas memórias como elemento definidor da decisão judicial. A abordagem é qualitativa, com suporte em revisão de literatura e análise descritiva dos fenômenos pesquisados, além de se apoiar na análise quantitativa, a partir de informações baseadas em padrões numéricos e disponibilizadas pelo STJ, na periodização compreendida entre 2012 e 2018. A contribuição é original e inédita. Conclui-se que há uma grave lacuna quanto à definição de elementos objetivos para a identificação de falsas memórias e seu discernimento em relação ao crime de falso testemunho. Entretanto, é necessário enfrentar o fato de que o reconhecimento do comportamento sugestionado exige aprofundamento e interdisciplinaridade, e que a identificação sobre a incidência de falsas memórias pode evitar enormes prejuízos para o direito processual penal.

Palavras-chave


Neurolaw. Falsas memórias. Comportamento sugestionado. Psicologia do testemunho.

Texto completo:

PDF

Referências


ADAMY, Pedro. Direitos fundamentais e as relações especiais de sujeição. Revista Brasileira de Políticas Públicas, Brasília, v. 8, n. 1, p. 360-376, 2018.

ARAÚJO, Felipe Dantas de. Criminologia crítica e política criminal antilavagem de dinheiro e contrafinanciamento do terrorismo: barreira epistêmica e agenda de diálogo. Revista Brasileira de Políticas Públicas, Brasília, v. 2, n. 2, p. 01-27, 2012.

ÁVILA, Gustavo Noronha de; BALDASSO, Flaviane. A repercussão do fenômeno das falsas memórias na prova testemunhal: uma análise a partir dos julgados do tribunal de justiça do Rio Grande do Sul. Revista Brasileira de Direito Processual Penal, v. 4, n. 1, p. 371-409, 2018.

BALMAKUND, Zurizadai. The realities of neurolaw: a composition of data & research. In: University of St. Thomas Journal of Law and Public Policy, v. 9, n. 2, p. 234-258, 2015.

BRAINERD, Charles J.; REYNA, Valerie F. The science of false memory. New York: Oxford University Press, 2005.

BRASIL. Decreto-lei nº 2.848, de 7 de dezembro de 1940. Código Penal Brasileiro de 1940. Brasília: Senado Federal, 1940.

BRASIL. HC 73.976-SP. Ministro Relator Carlos Velloso. Supremo Tribunal Federal. Disponível em: https://stf.jusbrasil.com.br/jurisprudencia/14816214/habeas-corpus-hc-81381-sp-stf.

BRASIL. Superior Tribunal de Justiça. Jurisprudência do STJ. Decisões monocráticas. Disponível em: http://www.stj.jus.br/SCON/decisoes/toc.jsp?livre=falsas+mem%F3rias&&tipo_visualizacao=RESU MO&b=DTXT&thesaurus=JURIDICO&p=true.

CLORE, Gerald L.; STORBECK, Justin. Affect Influences false memories at encoding: evidence from recognition data. Emotion, Emotion. v. 11, n. 4, p. 981–989, 2011.

CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA. Resolução nº 75 de 12 de maio de 2009. Disponível em: http://www.cnj.jus.br/images/stories/docs_cnj/resolucao/rescnj_75b.pdf. 2018.

IZQUIERDO, Iván. Memória. Porto Alegre: Artmed, 2006. JONES, Owen D. et al. Law and neuroscience. Journal of Neuroscience, v. 33, n. 45, p. 17624-17630, 2013.

LIMA, José Wilson Ferreira; SUXBERGER, Antonio Henrique Graciano. O processo penal e a engenharia de controle da política criminal. Revista Brasileira de Políticas Públicas, Brasília, v. 7, n. 1, p. 286-306, 2017.

LOFTUS, Elizabeth F.; PALMER, J. C. Reconstruction of automobile destruction: an example of the interaction between language and memory. Journal of Verbal Learning and Verbal Behavior, n. 13, p. 585-589, 1974.

LOFTUS, Elizabeth F.; PICKRELL, John E. The formation of false memories. Psychiatric Annals, n. 25, p. 720-725, 1995.

LOMBROSO, Paul. Aprendizado e memória. Revista Brasileira de Psiquiatria, v. 26, n. 3, p. 207-210, 2004.

MARSCH, Elizabeth J.; FAZIO, Lisa K. Correcting false memories. Psychological Science, v. 21, n. 6, p. 801–803, 2010.

MARSCH, Elizabeth J.; MULLET, Hillary G. Correcting false memories: errors must be noticed and replaced. Memory & Cognition, v. 44, n. 3, p. 403-412, 2016.

MARTÍN DE AGAR, José Tomás. El valor de la declaración de las partes en el proceso de nulidad. Ius Canonicum, v.57, n. 114, p. 663-706, 2017.

OLIVEIRA, Denise Cabral Carlos de. Abuso sexual infantil em laudos psicológicos: as “duas psicologias”. Physis, v. 27, n. 3, p. 579-604, 2017.

PICOZZA, Eugenio. Public law and private law issues. In: PICOZZA, Eugenio (Ed). Neurolaw: an introduction. Nova York: Springer, 2016. p.119-166.

PRATA, Henrique Moraes; FREITAS, Márcia Araújo Sabino de. Brainzil imaging: challenges for the largest Latin American country. In: SPRANGER, Tade Matthias. Internacional Neurolaw: a comparative analysis. Nova York: Springer, 2012. p. 67-88.

RIBEIRO, Alex. Caso escola base: os abusos da imprensa. São Paulo: Ática, 2003.

SCHAEFER, Luiziana Souto; ROSSETTO, Silvana; HAAG KRISTENSEN, Christian. Perícia psicológica no abuso sexual de crianças e adolescentes. Psicologia: Teoria e Pesquisa, v. 28, n. 2, p. 227–250, abr./jun. 2012.

STEIN, Lilian Milnitsky; FEIX, Leandro da Fonte; ROHENKOHL, Gustavo. Avanços metodológicos no estudo das falsas memórias: construção e normatização do procedimento de palavras associadas. Psicologia Reflexão e Crítica, v. 19, n. 2, p. 166-176, 2006.

STERN, Peter. Encoding false memories. Science, v. 354, n. 6309, p. 193-194, oct. 2016.

STERNBERG, R. J. Psicologia cognitiva. Porto Alegre: Artes Médicas Sul, 2000.

STORBECK, Justin; CLORE, Gerald L.; PHELPS, Elizabeth A. Affect influences false memories at encoding: evidence from recognition data. Emotion, v. 11, n. 4, p. 981-989, 2011.

TREFFERT, Darold. Memória genética: como sabemos o que não aprendemos. Disponível em: http:// www2.uol.com.br/vivermente/noticias/memoria_genetica_como_sabemos_coisas_que_nunca_aprendemos.html.

TURNEY, Indira C.; DENNIS, Nancy A. Elucidating the neural correlates of related false memories using a systematic measure of perceptual relatedness. NeuroImage, v. 146, n. 1, p. 940-950, feb. 2017.




DOI: http://dx.doi.org/10.5102/rbpp.v8i2.5269

ISSN 2179-8338 (impresso) - ISSN 2236-1677 (on-line)

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia