Das condições (ou contrapartidas) que o Poder Concedente pode exigir para a realização da chamada “prorrogação por interesse público” dos contratos de concessão de serviço público

Felipe Montenegro Viviani Guimarães

Resumo


Resumo: Este artigo trata da prorrogação das concessões de serviço público, mais especificamente da chamada “prorrogação por interesse público”. Ele justifica-se, dentre outras razões porque diversos atos normativos foram editados recentemente no Brasil autorizando a prorrogação por interesse público de várias concessões, motivo pelo qual o interesse teórico e prático pelo tema é realmente muito grande neste momento em nosso País. Assim sendo, o objetivo deste artigo é verificar as condições (ou contrapartidas) que podem ser exigidas para a realização da prorrogação por interesse público das concessões de serviço público. E a hipótese de pesquisa é que essas condições podem ser as mais variadas, dada a ampla discricionariedade conferida ao Poder Concedente para dispor sobre a matéria. O método de abordagem do tema é o dedutivo, e o método de pesquisa, o bibliográfico. Por fim, a principal conclusão deste artigo é que a prorrogação por interesse público pode estar sujeita às mais diversas condições – por exemplo: (i) o pagamento pela prorrogação da outorga; (ii) a redução da tarifa cobrada dos usuários; (iii) a realização de novos investimentos na concessão; (iv) a inclusão de cláusula de desempenho no contrato de concessão; e (v) a extinção da exclusividade da outorga –, o que confirma a hipótese de pesquisa.

Palavras-chave


Direito Administrativo; serviço público; concessão; prorrogação; condições

Texto completo:

PDF

Referências


Referências

ALBI, Fernando. Tratado de los modos de gestión de las corporaciones locales. 1. ed. Madrid: Aguilar, 1960.

AGUADO, Samuel Tejado. El nuevo modelo ferroviario español: la competencia en el transporte ferroviario de pasajeros. In: PASTOR, Juan Alfonso Santamaría et. al. (Dir.). Las técnicas de regulación para la competencia: una visión horizontal de los sectores regulados. 1. ed. Madrid: Iustel, 2011. p. 253-337.

AMARAL, Antônio Carlos Cintra do. Concessão de serviço público: novas tendências. 1. ed. São Paulo: Quartier Latin, 2012.

AMORIM, João Pacheco de. O princípio da temporalidade dos contratos públicos: considerações sobre a duração máxima dos contratos e respetiva prorrogabilidade dentro e para lá desse limite temporal. In: GONÇALVES, Pedro Costa (Org.). Estudos de contratação pública. v. 4, 1. ed. Coimbra: Coimbra, 2013. p. 19-77.

ARANHA, Márcio Iorio. Renovação dos contratos de concessão da telefonia fixa no Brasil. Notícia do Direito Brasileiro, Brasília, n. 13, p. 225-238, jan./jun. 2006.

BATISTA, Romário de Oliveira. Debate sobre uma segunda prorrogação de concessões no Setor Elétrico sem licitação: verdades, meias verdades e pontos para reflexão. In: CASTRO, Marcus Faro de; LOUREIRO, Gustavo Kaercher (Org.). Direito da Energia Elétrica no Brasil: aspectos institucionais, regulatórios e socioambientais. 1. ed. Brasília: ANEEL, 2010. p. 139-174.

COLSON, Clément. Cours d’economie politique: les travaux publics et les tranports. v. 6, 2e éd. Paris: Gauthier-Villars, 1910.

DALLARI, Adilson Abreu. Transporte coletivo: concessão de serviço público: impossibilidade de prorrogação. Revista de Direito Público, São Paulo, n. 88, p. 79-88, out./dez. 1988.

FERRAZ JÚNIOR, Tércio Sampaio; MARANHÃO, Juliano S. de Albuquerque. Separação estrutural entre serviços de telefonia e limites ao poder das agências para alteração de contratos de concessão. Revista de Direito Público da Economia, Belo Horizonte, v. 2, n. 8, p. 197-227, out./dez. 2004.

GARCIA, Flavio Amaral. As parcerias público-privadas: prazo e prorrogação. In: JUSTEN FILHO, Marçal; SCHWIND, Rafael Wallbach (Coord.). Parcerias público-privadas: reflexões sobre os 10 anos da Lei 11.079/2004. 1. ed. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2015. p. 579-608.

GRECA, Alcides. Derecho y Ciencia de la Administración Municipal. v. 3, 2. ed. Santa Fé: Universidade Nacional del Litoral, 1943.

JUSTEN FILHO, Marçal. A ampliação do prazo contratual em concessões de serviço público. Revista de Direito Administrativo Contemporâneo, São Paulo, v. 4, n. 23, p. 109-135, mar./abr. 2016.

LAUBADÈRE, André de; MODERNE, Franck; DEVOLVÉ, Pierre. Traité des contrats administratifs. v. 2, 1re éd. Paris: LGDJ, 1983.

MARQUES NETO, Floriano de Azevedo. Concessões. 1. ed. Belo Horizonte: Fórum, 2015.

MELLO, Celso Antônio Bandeira de. Consulta da Associação Brasileira de Concessionárias de Rodovias – ABCR. In: CARVALHO, André Castro (Org.). Contratos de concessão de rodovias: artigos, decisões e pareceres jurídicos. 1. ed. São Paulo: MP, 2009. p. 51-65.

MELLO, Rafael Munhoz de. Prorrogação de concessão de serviço público. Revista de Direito Público da Economia, Belo Horizonte, v. 12, n. 46, p. 207-222, abr./jun. 2014.

MUKAI, Toshio. Direito Administrativo sistematizado. 2. ed. São Paulo: Saraiva, 2000.

ROCHA, Cármen Lúcia Antunes. Estudo sobre concessão e permissão de serviço público no Direito brasileiro. 1. ed. São Paulo: Saraiva, 1996.

RODRIGUEZ-ARANA, Jaime F. La prórroga en los contratos administrativos: concepto, funciones y régimen en los contratos de obras y en los de gestión de servicios públicos. 1. ed. Madrid: Montecorvo, 1988.

TORGAL, Lino. Prorrogação do prazo de concessões de obras e de serviços públicos. Revista de Contratos Públicos, Coimbra, n. 1, p. 219-263, jan./abr. 2011.

WALD, Arnoldo. Da necessidade legal e econômica de prefixação das condições da prorrogação do prazo das concessões do serviço móvel celular. In: WALD, Arnoldo. Pareceres: direito das concessões. v. 3, 1. ed. Rio de Janeiro: América Jurídica, 2004. cap. 14.




DOI: http://dx.doi.org/10.5102/rbpp.v9i3.6072

ISSN 2179-8338 (impresso) - ISSN 2236-1677 (on-line)

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia