A ambigüidade da moral colonial: casamento, sexualidade, normas e transgressões

Helen Ulhôa Pimentel

Resumo


Esse texto busca em dois conjuntos de leis vigentes no período colonial – Ordenações do Reino de Portugal e Constituições Diocesanas – as matrizes de sentido que irão nortear a constituição, no Brasil, de uma moral cindida por representações sociais de gênero, etnia e posição social. Neles, práticas ligadas à sexualidade, como casamento, adultério, concubinato, incesto e estupro, são definidas em conformidade com os princípios de rígida hierarquização social e de gênero. Estas normas são analisadas e confrontadas com situações de fato, encontradas principalmente em documentos do Tribunal Eclesiástico em Minas Gerais relativos ao século XVIII.

Palavras-chave


Sexualidade. Normatização. Transgressões.

Texto completo:

Texto Completo


ISSN 1676-0298 (impresso) - ISSN 1983-4179 (on-line) - e-mail: universitas.face@gmail.com

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia