Um Direito sem Estado? Direitos Humanos e a Formação de um Novo Quadro Normativo Global

Rafael Köche, Anderson Vichinkeski Teixeira

Resumo


A transnacionalidade e a policontexturalidade do fenômeno jurídico começa a colocar em crise uma noção de Direito que há muito estava sedimentada: um Direito que só existe porque existe Estado. Há tamanha ambivalência nessa noção que seria possível dizer que o Estado seria um produto do Direito (constituinte), ao mesmo tempo em que o Direito seria um produto do Estado (constituído) – mesmo no plano internacional. Nesse contexto, apesar dos efeitos da ressignificação da noção de soberania, o Estado acaba sendo uma forma de organização que ainda não conhece substituto. Ainda que haja divergências entre as teorias jurídicas dominantes, de um modo geral, todas se fundamentam numa instância centralizada de decisão que produza aquilo que se pode denominar “Direito”, numa clara aproximação a uma domestic analogy. Assim, uma questão fundamental deve ser posta: há Direito sem Estado? Ou, há Direito sem uma instância centralizada de decisão que declare o “sentido oficial” em termos de normatividade? Admitindo isso como verdadeiro, toda a teoria do direito ocidental acabaria condenada a revisitar seus pressupostos básicos para compreender o fenômeno jurídico, num contexto em que o Direito não seria produto de uma estrutura institucionalizada, verticalizada e centralizada de poder, mas produto de uma intersubjetividade, difusa, descentralizada e multidimensional, em que a formação de múltiplas conexões (relações) estruturaria um Direito mais próximo da figura de uma rede (normativa), um Direito fundamentado em paradoxos, uma teoria pluriversalista dos Direitos Humanos, de modo a reavaliar as atuais concepções de sociedade civil e, por conseguinte, de Direito dos Povos.

Palavras-chave


Direito; Sociedade; Transnacionalização; Policontexturalidade; Direito dos Povos

Texto completo:

PDF

Referências


ANNAN, Kofi. Two concepts of sovereignty. The Economist,

September 1999. Disponível em:

News/ossg/sg/stories/kaecon.html>. Acesso em: 1º

abr. 2011.

BOBBIO, Norberto. O problema da guerra e as vias da paz.

Trad. Álvaro Lorencini. São Paulo: Unesp, 2003.

BOBBIO, Norberto. O terceiro ausente. Barueri: Manole,

BULL, Hedley. The Anarchical Society. A Study of Order

in World Politics. 3. ed. New York: Columbia University

Press, 2002.

CANCLINI, Néstor García. A globalização imaginada.

São Paulo: Iluminuras, 2003.

CASTELLS, Manuel. A Era da Informação: Economia,

Sociedade e Cultura. A Sociedade em Rede. Vol. 1. 5.

São Paulo: Paz e Terra, 1999.

_____. A Sociedade em Rede. Volume I. 6. ed. Trad. Roneide

Venancio Majer. São Paulo: Paz e Terra, 1999.

_____. The Networked City: Réseaux, espace, société. Disponível

em: .

Acesso em: 06 jun. 2013.

CROSSMAN, R. H. S. Biografia do Estado Moderno. Trad.

Evaldo Amaro Vieira. São Paulo: Livraria Editora Ciências

Humanas, 1980.

FALK, Richard. Human Rights and State Sovereignty. New

York: Holmes & Meier, 1981.

FIORAVANTI, Maurizio. Costituzionalismo. Percorsi della

storia e tendenze attuali. Roma-Bari: Laterza, 2009,

p. 5.

GIDDENS, Anthony. The Consequences of Modernity.

Cambridge: Polity, 1990.

TAYLOR, Charles. Argumentos Filosóficos. São Paulo: Loyola,

, p. 274.

HABERMAS, Jürgen. A Constelação Pós-Nacional: ensaios

políticos. Tradução de Márcio Seligmann-Silva. São

Paulo: Littera Mundi, 2001.

_____. A Inclusão do Outro: estudos sobre teoria política.

Tradução de George Sperber e Paulo Astor Soethe. São

Paulo: Loyola, 2002.

_____. A Short Reply. Ratio Juris, 12 (1999), 4.

_____. Direito e Democracia. Entre Faticidade e Validade.

Tradução de Flávio Beno Siebeneichler. Rio de Janeiro:

Tempo Brasileiro, 1997, Tomo I.

_____. El Derecho Internacional en la Transición hacia un

Escenario Posnacional. Trad. Daniel Gamper Sachse. Madrid;

Barcelona: Katz; CCCB, 2008.

_____. Identidades Nacionales y Postnacionales. Trad. Manuel

Jiménez Redondo. 2. ed. Madri: Tecnos, 2002.

_____. Más Allá Del Estado Nacional. Trad. Manuel

Jiménez Redondo. Cidade do México: Fondo de cultura

Económica, 2000.

_____. O Ocidente Dividido. Tradução de Luciana VillasBôas.

Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 2006.

_____. Verdade e Justificação: ensaios filosóficos. Tradução

de Milton Camargo Mota. São Paulo: Edições

Loyola, 2004.

HELD, David. Global Covenant: The Social Democratic

to the Washington Consensus. Cambridge: Polity Press,

_____; McGREW, Anthony. Globalization/Anti-Globalization.

Cambridge: Polity Press, 2002.

_____. Governing Globalization. Power, Autority and Global

Governance. Cambridge: Policy Press, 2002.

HOBSBAWM, Eric. A Era dos Extremos: o breve século

XX (1914-1991). Trad. Marcos Santarrita. 2. ed. São

Paulo: Companhia das Letras, 1995.

HUGO, Victor. William Shakespeare. Paris: Flammarion,

ICISS. The Responsibility to Protect. Report of the International

Commission on Intervention and State Sovereignty.

Ottawa: International Development Research

Centre, Dezembro, 2001.

KELSEN, Hans. Peace Through Law. Chapel Hill: The

University of North Carolina Press, [1944]. Reprinted

New Jersey: The Lawbook Exchange, Ltd., 2008.

_____. Principles of International Law. New York: Rinehart

& Company, Inc. [1952]. Reprinted 2003. New Jersey:

The Lawbook Exchange, Ltd., 2012.

LEFORT, Claude. A invenção democrática. 3. ed. São Paulo:

Autentica, 2011.

MERLEAU-PONTY, Maurice. O visível e o invisível. 4. ed.

São Paulo: Perspectiva, 2007.

MERRY, Sally E. Legal Pluralism. Law & Society Review,

Beverly Hills, 22, p. 869-901, 1988.

ONU. Declaração Universal de Direitos dos Povos Indígenas,

de 2007. Rio de Janeiro: UNIC, 2008. Disponível em:

DRIPS_pt.pdf>. Acesso em: 06 jun. 2013.

_____. Declaração Universal de Direitos dos Povos, de

In: MARQUES, João Benedito de Azevedo. Democracia,

Violência e Direitos Humanos. Anexos. São Paulo:

Cortez, 1991.

_____. Declaração Universal de Direitos Humanos,

de 1948. Rio de Janeiro: UNIC, 2000. Disponível em:

.

Acesso em: 06 jun. 2013.

OST, François. Contar a lei: as fontes do imaginário

jurídico. Trad. Paulo Neves. São Leopoldo: Editora Unisinos,

_____; KERCHOVE, Michel van de. De la Pyramide au

Réseau? Pour une théorie dialectique du droit. Bruxeles:

Facultés Universitaires Saint-Louis, 2002.

RAWLS, John. O Direito dos Povos. Trad. Luís Carlos Borges;

revisão técnica Sérgio Sérvulo da Cunha. São Paulo:

Martins Fontes, 2001.

_____. Uma teoria da Justiça. São Paulo: Martins Fontes,

ROCHA, Leonel Severo. A Problemática Jurídica: uma introdução

transdisciplinar. Porto Alegre: Sergio Antonio

Fabris Editor, 1985.

_____. Epistemologia Jurídica e Democracia. 2. ed. São Leopoldo:

Unisinos, 2003.

SEN, Amartya. Globalizzazione e libertà. Milano: Mondadori,

STIGLITZ, Joseph. Globalization and its Discontents. New

York: W. W. Norman & Company, 2002.

_____. Making Globalization Work. New York/London:

Norton & Company, 2003.

TEIXEIRA, Anderson Vichinkeski. Qual a função do

Estado constitucional em um constitucionalismo transnacional?

In: STRECK, Lenio Luiz; ROCHA, Leonel

Severo; ENGELMANN, Wilson (Orgs.). Constituição,

Sistemas Sociais e Hermenêutica. Anuário do Programa de

Pós-Graduação em Direito da Unisinos – Mestrado e

Doutorado. n. 9. Porto Alegre: Livraria do Advogado,

, p. 9-32.

_____. Teoria Pluriversalista do Direito Internacional. São

Paulo: Martins Fontes, 2011.

TEUBNER, Gunther. Direito, Sociedade e Policontexturalidade.

Trad. Bruna Vieira de Vincenzi e outros. Piracicaba:

Unimep, 2005.

TOURAINE, Alain. Um novo Paradigma: para compreender

o mundo de hoje. Trad. Gentil Avelino Titton. 3. ed.

Petrópolis: Vozes, 2007.

VIEIRA, Gustavo Oliveira. O Constitucionalismo no

Cenário Pós-Nacional: as implicações constitucionais da

mundialização e a busca por fontes alternativas de legitimidade.

404f. Tese (Doutorado em Direito) –

Programa de Pós-Graduação em Direito, Universidade

do Vale do Rio dos Sinos, São Leopoldo, RS, 2012.

WARAT, Luis Alberto. O Direito e sua Linguagem. 2 ed.

Porto Alegre: Sergio Antonio Fabris Editor, 1995.

ZOLO, Danilo. Apresentação. In: TEIXEIRA, Anderson

Vichinkeski. Teoria Pluriversalista do Direito Internacional.

São Paulo: Martins Fontes, 2011. p. IX-XIV.

_____. Cosmopolis. Milano: Feltrinelli, 2001.




DOI: http://dx.doi.org/10.5102/rdi.v10i2.2561

ISSN 2236-997X (impresso) - ISSN 2237-1036 (on-line)

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia