A teoria da interconstitucionalidade: uma análise com base na América Latina

Daniela Menengoti Ribeiro, Malu Romancini

Resumo


A presente pesquisa tem como objetivo estudar e compreender o fenômeno do interconstitucionalidade para demonstrar a efetivamente desta abordagem interconstitucional no âmbito da América Latina, o que se fará por meio de estudo de um caso julgado pela Corte Interamericana de Direitos Humanos. Utilizar-se-á o método dedutivo, e instrumentos de pesquisa bibliográfica e análise jurisprudencial. Os resultados desta pesquisa apontaram que a teoria do interconstitucionalidade, reconhecida inicialmente no sistema jurídico europeu, pode ser também identificada no contexto da América Latina, no âmbito do Sistema Interamericano de Direitos Humanos. Portanto, esta pesquisa permitiu concluir que, em razão da conversação entre ordens jurídicas internacionais e da semelhança cultural, o interconstitucionalismo encontra alicerce para se desenvolver, e, ademais, permite uma maior proteção dos direitos dos indivíduos. O estudo do fenômeno do interconstitucionalismo em casos da Corte Interamericana de Direitos Humanos é inédito, cumprindo com seu caráter inovador, e constituindo uma importante e rica fonte de informação com relevância acadêmica em razão da pujante internacionalização do direito, que implica na modificação da estrutura constitucional e na interação entre ordens jurídicas.

Palavras-chave


Interconstitucionalidade. América Latina. Corte Interamericana de Direitos Humanos.

Texto completo:

PDF

Referências


ALVAREZ, Maria Luisa Ortiz. (Des) construção da identi¬dade latino-americana: heranças do passado e desafios futuros. Disponível em: . Acesso em: 16 jul. 2015.

CANOTILHO, J. J. Gomes. “Brancosos” e interconstitucio¬nalidade: itinerários dos discursos sobre a historicidade constitucional. 2. ed. Almedina: Coimbra, 2008.

CONSTITUIÇÃO FEDERAL DA BOLÍVIA. Di¬sponível em: . Acesso em: 17 jun. 2015.

CONVENÇÃO AMERICANA SOBRE DIREITOS HUMANOS. Disponível em: . Acesso em: 17 jun. 2015.

CORTE INTERAMERICANA DE DIREITOS HU¬MANOS. CASO PUEBLO INDÍGENA KICHWA DE SARAYAKU VS. ECUADOR. SENTENÇA DE 27 DE JUNHO DE 2012. Disponível em: . Acesso em: 22 jun. 2015.

DELMAS-MARTY, Mireille. Les forces imaginantes du droit: le relaatif et l’universel. Paris, França: Seuil, 2004.

DUARTE, Écio Oto Ramos. Entre constitucionalismo co¬smopolita e pluriversalismo internacional: neoconstituciona¬lismo e ordem mundial. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2014.

ENGELMANN, Wilson. A crise constitucional: a lin¬guagem e os direitos humanos como condição de pos-sibilidade para preservar o papel da Constituição no mundo globalizado. In: MORAIS, José Luis Bolzan de (Org.) O Estado e suas crises. Porto Alegre: Livraria do Advogado, 2005.

FERRAJOLI, Luigi. A soberania no mundo moderno: nasci¬mento e crise do Estado nacional. Tradução de Carlo Coccioli e Márcio Lauria Filho. Revisão da tradução de Karina Jannini. 2. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2007.

_______. Democracia, estado de direito e jurisdição na crise do estado nacional. Disponível em: . Acesso em: 03 jun. 2015.

FLEURI, Reinaldo Matias. In Palestra Proferida no V Colóquio Internacional Paulo Freire - 2005. Disponível em: . Acesso em: 06 jun. 2015.

GIDDENS, Anthony. A terceira via: reflexões sobre o impasse político atual e o futuro da sociela-democracia. Tradução de Maria Luiza X. de A. Borges. Rio de Janei¬ro: Record, 2000.

HÄBERLE, Peter. Estado constitucional cooperativo. Rio de Janeiro: Renovar, 2007.

_______; HABERMAS; Jürgen; FERRAJOLI, Lui¬gi. VITALE, Ermanno. La constitucionalización de Euro¬pa. México: Instituto de Investigaciones Jurídicas de la UNAM, 2004.

LEAL, Mônia Clarissa Hennig. La noción de constitución abierta de peter haberle como fundamento de una juri¬sdicción constitucional abierta y como presupuesto para la intervención del amicus curiae en el derecho brasileño. In: Estudios Constitucionales, Año 8, Nº 1, 2010, pp. 283 – 304.174

LUHMANN, Niklas. A constituição como Aquisição Evo¬lutiva. Tradução realizada a partir do original (“Verfas-sung als evolutionäre Errungenschaft”. In: Rechthisto¬risches Journal . Vol. IX, 1990, pp. 176 a 220), cotejada com a tradução italiana de F. Fiore (“La costituzione come acquisizione evolutiva”. In: ZAGREBELSKY, Gustavo. PORTINARO, Pier Paolo. LUTHER, Jörg. Il Futuro della Costituzione. Torino: Einaudi, 1996), por Menelick de Carvalho Netto, Giancarlo Corsi e Raffaele De Giorgi. Notas de rodapé traduzidas da versão em italiano por Paulo Sávio Peixoto Maia (texto não revisa¬do pelo tradutor), p. 04.

NEVES, Marcelo. Transconstitucionalismo. São Paulo: Martins Fontes, 2013.

PIOVESAN, Flavia. Direitos humanos e diálogo entre jurisdições. In: Revista Brasileira de Direito Constitucional – RBDC, n. 19, p. 67-93, jan-jun, 2012.

_______. Direitos humanos e justiça internacional: um estu¬do comparativo dos sistemas regionais europeu, inte¬ramericano e africano. 2ª ed. São Paulo: Saraiva, 2011.

SEIXAS, Renato. Identidade Cultural da América Latina: conflitos culturais globais e mediação simbólica. Disponível em: . Acesso dia: 16/07/2015, p. 98.

VASCONCELOS, Luciana Machado de. Interculturalida¬de. Disponível em: . Acesso em: 08 jun. 2015.

WOLKMER, Antonio Carlos. Pluralismo crítico e per¬spectivas para um novo constitucionalismo na América Latina. In: WOLKMER, Antonio Carlos; MELO, Mi¬lena Petters. (Orgs.). Constitucionalismo latino-americano: tendências contemporâneas. Curitiba: Juruá, 2013.




DOI: http://dx.doi.org/10.5102/rdi.v12i2.3714

ISSN 2236-997X (impresso) - ISSN 2237-1036 (on-line)

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia