Da qualificação jurídica das distintas formas de prestação tecnológica: breve análise do marco regulatório internacional

Daniel Amin Ferraz

Resumo


A transferência de tecnologia e o acesso a este insumo consistem em elementos fundamentais para o desenvolvimento da atividade humana concebida no âmbito da organização civil e para o exercício de uma diversidade de atividades econômicas. No entanto, em função da diversidade das formas de prestações tecnológicas, inexiste um conceito internacional minimamente uniforme de tecnologia. A inexistência dessa premissa compromete a regulação de negócios jurídicos em que uma parte se mostra mais vulnerável que a outra, especialmente quando se concebe negociação entre empresas multinacionais ou de nacionalidades diferentes, já que haveria uma assimetria entre elas. Dado esse contexto, o presente artigo, tendo como escopo o marco regulatório internacional, visa qualificar juridicamente as distintas formas de prestação tecnológica, a fim de que um entendimento minimamente uniforme seja sedimentado. Tal entendimento, possibilitará o desenvolvimento da discussão relativa à regulação estatal dos contratos de transferência de tecnologia e à otimização da prestação contratual entre as empresas. Além disso, a partir de uma base conceitual satisfatória, poder-se-á conceber uma harmonização legislativa da matéria relativa à prestação tecnológica, que atualmente se mostra ausente.

Palavras-chave


Transferência de tecnologia. Formas de prestação tecnológica. Marco regulatório internacional.

Texto completo:

PDF

Referências


ANTUNES, José Manuel Oliveira; MANSO, José António Costa. Relações internacionais e transferência de tec-nologia. Coimbra: Almedina, 1993.

BAEZA ORTUÑO, Maria Teresa. La licencia de marca. Madrid: Marcial Pons, 2000. (Colección Garrigues & Andersen).

BONETE PERALES, Rafael. Mercosur y Comunidad Eu¬ropea: la cooperación científico-tecnológica. 2. ed. Bue-nos Aires: Ciudad Argentina, 1998.

BROSETA PONT, Manuel. Manual de derecho mercantil. 10. ed. Madrid: Tecnos, 2000.

CARDOSO, Fernando Henrique. La globalización y los desafíos de la democracia en el plano internacional. Foreign Affairs, Ciudad de México, v. 2, n. 1, p. 108-113,

FERRAZ, Daniel Amin. Da qualificação jurídica das distintas formas de prestação tecnológica: breve análise do marco regulatório internacional. Revista de Direito Internacional, Brasília, v. 12, n. 2, 2015 p. 448-462 primavera de 2002.

CARVALHO, Orlando de. Critério e estrutura do estabelecimento comercial: o problema da empresa como objecto de negócios. Coimbra: Atlântida, 1967.

CASADO CERVIÑO, Alberto. Derecho de marcas y pro¬tección de los consumidores: el tratamiento del error del con¬sumidor. Madrid: Tecnos, 2000.

CHAVANNE, A.; BURST, J. J. Droit de la propriété indu¬strielle. 5. ed. Paris: Librairies Sirey, 1998.

CHULIÁ VICENT, E.; BELTRÁN ALANDETE, T. Aspectos jurídicos de los contratos atípicos. 4. ed. Barcelona: J. M. Bosh, 1999. v. 1.

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS. Regulamento (CE) n.° 240/96 da Comissão, de 31 de janeiro de 1996, relativo à aplicação do n° 3 do artigo 85 do Tratado a certas categorias de acordos de transferência de tecnologia. Jornal Oficial das Comunidades Europeias, Bruxelas, v. 39, n. L31, p. 2-13, 9 fev. 1996. Disponivel em: . Acesso em: 22 jan. 2016.

COMMISSION OF THE EUROPEAN COMMUNI¬TIES. Commission Regulation No. 2349/84/EEC of 23 July 1984 on the application of Article 85(3) of the Treaty to certain categories of patent licensing agreements as corrected by OJL 113 of 1985. Disponível em: . Acesso em: 22 jan. 2016

COMUNIDADE EUROPEIA. Acto relativo às condições de adesão da República Checa, da República da Estónia, da República de Chipre, da República da Letónia, da República da Lituânia, da República da Hungria, da República de Malta, da República da Polónia, da República da Eslovénia e da República Eslo¬vaca e às adaptações dos Tratados em que se funda a União Europeia: Anexo II: Lista a que se refere o ar¬tigo 20 do Acto de Adesão. Jornal Oficial das Comunidades Europeias, Bruxelas, v. 40, n. L236, p. 53-178, 23 set. 1996. Disponível em: . Acesso em: 22 jan. 2016.

CONSELHO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS. Decisão 94/800/CE Conselho de 22 de Dezembro de 1994 relativa à celebração, em nome da Comunidade Europeia e em relação às matérias da sua competência, dos acordos resultantes das negociações multilaterais do Uruguay Round (1986/1994). Jornal Oficial das Co-munidades Europeias, Bruxelas, v. 37, L336, p. 1-2, 23 dez. 1994. Disponível em: . Acesso em: 22 jan. 2016.

CONSELHO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS. Primeira Directiva 89/104/CEE do Conselho de 21 de Dezembro de 1988 que harmoniza as legislações dos Estados-Membros em matéria de marcas. Jornal Oficial das Comunidades Europeias, Bruxelas, v. 32, n. L40, p. 1-7, 11 fev. 1989. Disponível em: . Acesso em: 22 jan. 2016.

CONSELHO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS. Regulamento (CE) n.° 1992/2003 do Conselho, de 27 de Outubro de 2003, que altera o Regulamento (CE) n.° 40/94 sobre a marca comunitária, a fim de ter em conta a adesão da Comunidade Europeia ao Protocolo refe¬rente ao Acordo de Madrid relativo ao registo interna¬cional de marcas, aprovado em Madrid em 27 de Junho de 1989. Jornal Oficial das Comunidades Europeias, Bruxe¬las, v. 46, n. L296, p. 1-5, 14 nov. 2003. Disponível em: . Acesso em: 22 jan. 2016.

CONSELHO DAS COMUNIDADES EUROPE¬IAS. Regulamento (CE) n.° 40/94 do Conselho, de 27 de dezembro 1994, sobre a marca comunitária. Jornal Oficial das Comunidades Europeias, Bruxelas, v. 37, n. L11, p. 1-36, 14 jan. 1994. Disponível em: . Acesso em: 22 jan. 2016.

CORREA, Carlos M.; BERGEL, Salvador D. Patentes y competencia. Buenos Aires: Rubinzal Culzoni, 1996.

ECHARRI, Alberto; PENDÁS, Angel. La transferencia de tecnología. Madrid: Fundación Confemetal, 1999.

ECHEBARRÍA SÁENZ, Joseba A. El contrato de fran¬quicia. Madrid: McGraw-Hill, 1995.

ESPAÑA. Ley nº 32, de 10 de noviembre, 1988, de Marcas. Disponível em: . Acesso em: 22 jan. 2016.

EUROPEAN UNION. Court of Justice. Merck & Co. Inc. vs Stephar BV; Petrus Stephanus Exler. Reference for 460

FERRAZ, Daniel Amin. Da qualificação jurídica das distintas formas de prestação tecnológica: breve análise do marco regulatório internacional. Revista de Direito Internacional, Brasília, v. 12, n. 2, 2015 p. 448-462

A preliminary ruling: Arrondissementsrechtbank Rotter¬dam - Netherlands. - Patents - Pharmaceutical products. Case 187/80. Sentence, 14 July 1981. Disponível em: . Acesso em: 22 jan. 2016.

FERNÁNDEZ NOVOA, Carlos. Derecho de marcas. Ma¬drid: Montecorvo, 1990.

FERNÁNDEZ ROZAS, José Carlos (Ed.). Derecho del comercio internacional. Madrid: Eurolex, 1996.

FERRAZ, Daniel Amin. Grupo de sociedades: instrumento jurídico de organização da empresa plurisocietária. Revista de Direito Internacional, Brasilia, v. 12, p. 495-509, 2014.

FERRAZ, Daniel Amin. A concentração empresarial no contexto da economia internacional. In: ______ (Org.). Direito empresarial: marco jurídico de internacionalização das empresas brasileiras. Curitiba: CRV, 2012. p. 10-31.

FERRAZ, Daniel Amin. Dos contratos internacionais do comércio: regime geral. In: ______ (Org.). Contra¬tação internacional: algumas espécies de contratos mercan¬tis. Curitiba: CRV, 2014. p. 9-32.

FERRAZ, Daniel Amin. Joint Ventures e contratos interna¬cionais. Belo Horizonte: Mandamentos, 2001.

FRÍGOLA RIERA, Antonio: Confusión entre marcas y protección a los consumidores. In: MARTÍN MUÑOZ, Alberto J. (Coord.). Propiedad industrial y competencia desleal: perspectiva comunitaria, mercados virtuales y regu¬lación procesal. Madrid: Instituto de Empresa, 2001. p. 305-334.

GARCÍA-CASTRILLÓN, Carmen Otero. Las patentes en el comercio internacional. Madrid: Dykinson, 1997.

GOMES, Orlando. Contratos. 15. ed. Rio de Janeiro: Fo¬rense, 1995.

GÓMEZ ABELLEIRA, Francisco Javier. Litigios entre empresario y trabajador sobre patentes, secretos industriales y de¬rechos de autor en los Estados Unidos. Santiago de Compo¬stela: Universidade da Coruña, 1999.

GOMEZ SEGADE, J. A. El secreto industrial (Know-how): concepto y protección. Madrid: Tecnos, 1974.

GOMEZ SEGADE, J. A. Tecnología y derecho: estudios jurídicos del prof. José Antonio Gómez Segade reco-pilados con ocasión de la conmemoración de los XXV años de cátedra. Madrid: Marcial Pons, 2001.

HERNÁNDEZ RODRÍGUEZ, Aurora. Los contratos internacionales de construcción. Granada: Comares, 1999.

HERNANDO GIMÉNEZ, Aurora. El contrato de fran¬quicia de empresa. Madrid: Civitas, 2000.

JACQUET, Jean-Michel; DELEBECQUE, Philippe. Droit du commerce international. 2. ed. Paris: Dalloz, 1999.

JIMÉNEZ BLANCO, Pilar. El derecho aplicable a la protec¬ción internacional de las patentes. Granada: Comares, 1998.

MARTÍN MATEO, Ramón; DÍEZ SÁNCHEZ, Juan José. La marca comunitária: derecho publico. Madri: Tri¬vium, 1996.

MARTÍN TRILLA, Esther; ECHARRI ARDANAZ, Alberto. La franquicia: aplicación práctica y jurídica. Na¬varra: Aranzadi, 2000.

MASSAGUER FUENTES, José. El contrato de licencia de Know-how. Barcelona: J. M. Bosh, 1999.

MESSINEO, Francesco. Manuale di diritto civile e commer¬ciale. 6. ed.

Padova: Cedam, 1943.

MIGUEL ASENSIO, Pedro A. de. Contratos internaciona¬les sobre propiedad industrial. 2. ed. Madrid: Civitas, 2000.

ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DO COMÉRCIO. Acordo sobre aspectos dos direitos de propriedade intelectual re-lacionados ao comércio. Disponível em: . Acesso em: 22 jan. 2016

OTERO LASTRES, José Manuel. Derecho y tecnología: curso sobre innovación y transferencia. Barcelona: Ari¬el, 1990.

RUIZ PERIS, Juan I. Los Tratos preliminares en el contrato de franquicia. Navarra: Aranzadi, 2000.

SANTOS, António Marques dos. Transferência internacio¬nal de tecnologia, economia e direito: alguns problemas gerais. Lisboa: Centro de Estudos Fiscais, 1984. (Cadernos de Ciência e Técnica de Fiscal, 132).

SULLIVAN, Neil F. Technology transfer: making the most of your intellectual property. Cambridge: Cambridge University Press.

UNIÃO EUROPEIA. Tribunal de Justiça. Centrafarm BV; Adriaan de Peijper vs. Sterling Drug Inc. Caso 15/74. Se¬tença, 31 de outubro de 1974. Disponível em: . Acesso em: 22 jan. 2016.461

FERRAZ, Daniel Amin. Da qualificação jurídica das distintas formas de prestação tecnológica: breve análise do marco regulatório internacional. Revista de Direito Internacional, Brasília, v. 12, n. 2, 2015 p. 448-462

UNIÃO EUROPEIA. Tribunal de Justiça. IHT Interna¬tionale Heiztechnik Gmb; Uwe Danzinger vs Ideal-Standard GmbH; Wabco Standard GmbH. Caso 9/93. Setença, 22 de junho de 1994. Disponível em: . Acesso em: 22 jan. 2016.

UNIÃO EUROPEIA. Tribunal de Justiça. Reino da Espanha; República Helénica vs Conselho da União Europeia. Caso 350/92. Setença, 13 de julho de 1995. Disponível em: . Acesso em: 22 jan. 2016.

VARELA, João de Matos Antunes. Das obrigações em ge¬ral. 8. ed. Coimbra: Almedina, 1994.

VASCONCELOS, Pedro Paes de. Contratos atípicos. Coimbra: Almedina, 1995.

VILALTA NICUESA, Aura Esther; MÉNDEZ TOMÁS, Rosa M. Acciones para la protección de patentes y modelos de utilidad. Barcelona: Bosch, 2000.

ZUCCHERINO, Daniel R.; MITELMAN, Carlos O. Marcas y patentes en el GATT. Buenos Aires: Abeledo- Perrot, 1997.462




DOI: http://dx.doi.org/10.5102/rdi.v12i2.3745

ISSN 2236-997X (impresso) - ISSN 2237-1036 (on-line)

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia